Já fiz muitos “pés de meia”. O primeiro foi, aos 14 anos, quando entrei no mercado de trabalho. Naquela época (anos 80) a inflação era terrível. Quando vinha o reajuste de salário guardava todo o aumento em uma caderneta de poupança. Pensava que se conseguia viver com aquele salário, poderia sobreviver mais um mês.  Fazia sempre o planejamento dos meus gastos e o pouco que sobrava, também depositava na poupança. Sete anos mais tarde conseguimos comprar à vista ( e com um bom desconto) todos os móveis e objetos para nosso enxoval com o dinheiro economizado.